Tudo que é pé de conversa tem o seu dedo de prosa!

Este recanto tem a obra dos maiores Poetas do mundo!

sexta-feira, 6 de junho de 2008

QUANDO ACABA A ELEIÇÃO - Autor: Merlânio Maia

QUANDO ACABA A ELEIÇÃO
Merlânio Maia

No período eleitoral
Candidato vira santo
Bota a cara em todo canto
Favela, sítio, hospital,
Tapera, escola, curral,
Velório, igreja, pensão,
Promete o céu e o chão
Jura descaradamente
Mas muda radicalmente
Quando acaba a eleição!

A teta é bem saborosa
Por isso, quem quer deixar?
O salário é um manjar
E a função é poderosa
A mala preta formosa
Enche os cofres e o colchão
Pois é na corrupção
Que o ganho se multiplica
E a politicalha enrica
Quando acaba a eleição!

O pobre eleitor coitado
Detém o real poder
De banir, cobrar, deter,
E excluir o candidato
Mas o político de fato
Encanta e ilude o povão
Como um piolho malsão
Retorna ao poder de novo
Pra sugar o nosso povo
Quando acaba a eleição!

Mau político tem prazer
De enganar quando promete
Setecentos vezes sete
Promete sem se conter
Sabe que vão esquecer
Nunca houve punição
Não há lei que diga não
Quem paga a promessa é o povo
E o peste vai rir de novo
Quando acaba a eleição!

Pobre do povo enganado
Trucidado em sua calma
Vende o voto e perde a alma
Paga caro ter votado
Não verá do combinado
Nem saúde, educação,
Nem infra-estuturação
Nem água, esgoto ou transporte,
Segurança só na sorte
Quando acaba a eleição!

O que se vê todo o dia
É a briga pelo poder
Quem mais tem mais faz pra ter
E haja dinheiro e folia
A bandidagem alicia
No caos da corrupção
A ética perde a razão
Ser honesto é coisa rara
Falta vergonha na cara,
Quando acaba a eleição!

E a gente sente vergonha
De ver chafurdando em lama
Símbolos que a gente ama
De forma torpe e bisonha
Mas a nação ainda sonha
Botar na grade o ladrão
E sanear a nação
Pra ter sua honra de novo
E o governo ser do povo
Quando acaba a eleição!

A SAGA DO HOMEM JUSTO - Autor: Merlânio Maia

A SAGA DO HOMEM JUSTO
Merlânio Maia

Contam que um homem justo
Pai de família honrado
Homem de bem exemplar
Caridoso e iluminado
Morreu pra Terra e ao subir
Sem saber aonde ir
Foi dar na porta do céu
Viu o anjo do protocolo
Com um computador no colo
Que o tratou como um réu

Sentou-se numa cadeira
E um computador ligou
Perguntou o nome do justo
Digitou e esperou
E haja a máquina demorar
E o anjo voltou a olhar
Assoprou, deu dois suspiros
Mas surpreso observou
Que a máquina detectou
Que o HD tinha vírus

Ouviu-se um agudo apito
E a tela ficou travada
O anjo ligou pro arcanjo
Que veio dar uma olhada:
-“Desligue logo o sistema
Que assim desfaz-se o problema!”
E o anjo fez esta ação
Mas quando redigitou
Não mais ali encontrou
O homem na relação

Mandou logo imprimir
A relação dos fiéis
E o nome daquele homem
Não constava nos papéis
E o anjo tristemente
Disse ao homem: - “Infelizmente
Não lhe encontrei no papel
E sem essa informação
Não posso dar permissão
Pra ninguém entrar no céu”

E o homem resignado
Pediu-lhe pra informar:
- “Mas, por favor, me adiante
Devo ir pra que lugar?”
O anjo coçou a cabeça
E disse: -“Não se aborreça
Vou dizer, mas me consterno
Tenho o dever de informar
Pois muito bem! Seu lugar
É lá embaixo, no inferno!”

Diante da serenidade
O anjo surpreendido
Ouviu do homem: - “Pois bem!
Onde o caminho escolhido?”
Disse o anjo: - “É só descer
Lá embaixo e dá pra ver
É uma caverna escura
Nem há controle na porta
Mas lá a sorte está morta
Pois a vida ali é dura!”

O homem logo se despede
Agradece e vai descendo
E enfim entra no inferno
E por ali vai vivendo
Depois de duas semanas
Chegam no céu caravanas
Com o séqüito de Satanás
Param na porta a gritar
Pedindo pra convocar
O santo arcanjo da paz

Diz o diabo: - “Assim não dá
Só pode ser terrorismo!!!”
O Arcanjo sai e pergunta:
- “Que é isto é anarquismo?”
E o diabo diz: - “Quem mandou
Me diga! Quem enviou
Aquele agente sagaz
Que desde a sua chegada
Está mudando a parada
Levando ao inferno a paz?”

“Valorizando a equipe
Divulgando a união
Já mudou tudo no inferno
Desfigurou, meu patrão
Ou vão tira-lo dali
Ou faço um inferno aqui!”
E o anjo diz: -“Tenha calma
Que eu resolvo o mitiê
Já formatei o HD
E sei quem é aquela alma!”

“Foi engano aquele homem
É puro e é muito justo!”
E assim mandou buscá-lo
E este veio a muito custo
Pois no inferno ele viu
O seu grande desafio
Do ambiente transformar
Já que os sentimentos seus
Sintonizavam com Deus
Em todo e qualquer lugar

O reino dos céus reside
No imo do ser humano
São palavras de Jesus
Resumindo o nosso plano
Quem faz de si esperança
Já é pleno de bonança
E há amor nos atos seus
Vibra em outra dimensão
É feliz e tem razão
Pois já é Filho de Deus